Uma rodada de nove assembleias realizada entre os dias 3 e 7 de junho, aprovaram a reforma estatutária proposta pelo SINTTEL-RS, que autoriza o aumento da mensalidade sindical de 1% para 1,5%. Do total de participantes, uma ampla maioria aprovou a proposta. As assembleias aconteceram em todas as Delegacias e em Porto Alegre.

O objetivo da medida é contribuir para a recuperação das finanças da entidade, abaladas desde que os governo Temer e Bolsonardo elegeram os sindicatos como seus principais alvos, como claro objetivo de passar as reformas sem qualquer resistência.

Paralelo a isso, o Sindciato também vem desenvolvendo uma importante campanha de sindicalização, com objetivo de manter a atuação do Sindicato em defesa dos direitos dos trablahadores e manutenção dos Acordos Coletivos.  A campanha já conquistou mais de mil novos sindicalizados, com a criação de novos convênios, como o cartão de descontos e cursos de qualificação profissional para os sindicalizados, e ainda ampliando a base de representação da entidade, como o início da representação junto aos empregados de Empresas Provedoras de Internet, o que projeta aumentar o número de trabalhadores sindicalizados no SINTTELRS.

Confira abaixo, o exemplo de como ficará a contribuição:

Salário de R$ 1.000,00 – valor da antiga mensalidade (1%) = R$ 10,00

Salário de R$ 1.000,00 – valor da nova mensalidade (1,5%) = R$ 15,00

Se sindicalizando, além de participar da sustentação financeira da entidade e manutenção dos serviços e convênios disponibilizados inclusive aos dependentes, o trabalhador também participa do fortalecimento da luta de toda a categoria.

Em tempos de grandes ataques aos trabalhadores, como os advindos da reforma trabalhista, a teceirização ilimitada, a precarização das condições de trabalho e a reforma da previdência, a principal e mais consistente ferramenta de luta e de resistência é a organização dos trabalhadores através de seus sindiacitos que, não por acaso, vêm sendo fortemente atacado pelos governos e patrões. Sindicalize-se e participe da luta em defesa dos direitos dos trabalhadores.

Assessoria de Comunicação

17/06/2019 21:31:28

Os dirigentes do SINTTEL-RS, Ingo, Dirceu e Gilnei Azambuja participaram, dia 5 de junho, do encontro dos Delegados da AACRT, realizado no Hotel Embaixador, em Porto Alegre.

Durante o encontro, os dirigentes abordaram temas relacionados a proteção dos benefícios da Fundação. O coordenador do Ginp, Ingo Muller, fez uma atualização das últimas ações,  principalmente no que se refere a incorporação do Beyoncé pelo Tcsprev.

Já o diretor Dirceu, reforçou a importância da sindicalização e da união de ambas entidades (Sindicato e Associação).

O presidente do SITTEL-RS, Gilnei, falou sobre a greve do dia 14 chamada pelas centrais sindicais contra a reforma da previdência, os cortes na educação e o desemprego e convidaram os aposentados a participarem da atividade.

Na avaliação dos dirigentes, a participação no encontro dos Delegados da AACRT, foi um importante espaço para reformar a unidade e a luta dos trabalhadores telefônicos.

Assessoria de Comunicação

16/06/2019 20:06:06

Informamos aos nossos clientes que, desde o dia 1º de maio de 2019, a Emergência da Santa Casa de Porto Alegre não atende mais pacientes de Oncologia do Centro Clínico Gáucho (CCG), independentemente do plano.

Em caso de necessidade, estes usuários podem se dirigir à Emergência do Hospital Ernesto Dorneles ou do Hospital São Lucas –PUC.

Assessoria de Comunicação

06/06/2019 11:52:02

A migração do sistema de aposentadoria atual, de repartição, mantida com  contribuições mensais dos trabalhadores e dos empresários, além de recursos da União, para o de capitalização, sistema onde só o trabalhador contribui, vai custar ao Brasil R$ 954 bilhões em 20 anos.

A informação foi divulgada três meses depois da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) nº 006/2019 da reforma da Previdência chegar ao Congresso Nacional, pelo secretário de Previdência do Ministério da Economia, Leonardo Rolim, em uma audiência na Câmara dos Deputados. Na mesma audiência, o secretário especial de Previdência e trabalho, Rogério Marinho, que não gostou de ver os números divulgados, foi flagrado pela imprensa dando um puxão de orelhas em Rolim.

O motivo é simples. O dado derruba a tese do governo de Jair Bolsonaro (PSL) de que a reforma, que acaba com o direito de aposentadoria de milhões de trabalhadores e trabalhadoras, gera uma economia de quase R$ 1 trilhão. O mercado já havia jogado um balde de água fria nesta previsão. Alguns analistas de mercado, segundo a imprensa, acreditam que a reforma vai economizar ao governo metade do previsto, R$ 600 bilhões. Portanto, menos do que o governo vai gastar para implementar a capitalização que será entregue aos bancos.

Para o economista da Unicamp, Marcio Pochmann , esses números demonstram que a reforma da Previdência não é necessária. O que o mercado financeiro quer com o apoio do governo Bolsonaro é privatizar a Previdência Social. Por isso, o mercado pressiona pela aprovação da reforma, que é o primeiro passo para o governo seguir com a proposta de capitalização.

Segundo ele, o ministro da Economia, o banqueiro Paulo Guedes, não é transparente em relação a informações sobre a reforma. Os cálculos de quanto o governo vai economizar não levam em consideração o déficit que virá com a capitalização, porque o número de pessoas aposentadas no regime atual de repartição ainda será bem maior do que o de jovens que entrarão no regime de capitalização.

“Se os mais jovens e as empresas não contribuírem com uma parte da aposentadoria dos mais velhos, o déficit na Previdência pública será muito maior”, afirma Pochmann.

A professora de economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Denise Gentil, também diz que o governo precisa mostrar os cálculos que fez para chegar a essa “economia” de um trilhão e dos gastos com a transição entre o atual sistema e a capitalização.

“Os brasileiros estão cansados de receber números sem o governo dizer qual a base de dados, as equações para chegar a esse resultado porque esses números, não têm credibilidade, não têm fundamentos”, critica a economista.

Capitalização só interessa aos bancos

Denise Gentil também critica o discurso oficial do governo de que o valor economizado com a reforma da Previdência vai para a educação e a saúde.

“É uma falácia de que esses recursos serão apara atender a área social. O sistema que eles estão criando é para beneficiar os bancos. Vamos retirar recursos das pessoas mais carentes, de quem recebe o Benefício de Prestação Continuada {BPC}, para que os bancos possam lucrar ainda mais”, diz.

A mesma visão de que a capitalização só é boa para os bancos, tem Marcio Pochmann. Segundo ele, os bancos querem operar o dinheiro arrecadado, e agora, ainda mais, com a recessão econômica batendo a porta do país, o mercado financeiro não quer perder suas taxas de lucro.

"O que o Estado arrecadaria com tributos vai para o setor privado, para os bancos. Vamos acabar vivendo num país onde será cada um por si, porque a Previdência pública pressupõe contrapartidas de quem trabalha", disse.

Segundo o professor da Unicamp, “as pessoas que estão aposentadas e as que já estão contribuindo com a Previdência pública terão uma trajetória de vida de mais alguns anos, e o Estado é que vai pagar as pensões, sem ter a contrapartida dos demais trabalhadores e das empresas”.

Já Denise Gentil, explica ainda que o Estado é que sempre paga pelo sistema de capitalização, porque ao transferir a arrecadação da Previdência para os bancos, essas instituições financeiras aplicam o dinheiro da capitalização no tesouro público, que por sua vez remunera os bancos. "É um ciclo vicioso. É a União que paga a aplicação que o banco faz com o dinheiro do trabalhador, que, por sua vez, aplicou seu dinheiro na capitalização. O dinheiro sai do bolso do cidadão brasileiro para privilegiar bancos, e não para atender os mais pobres, como afirma o governo Bolsonaro", avalia

Reforma Trabalhista piora as contas da Previdência

Segundo Marcio Pochmann, a reforma Trabalhista, de Michel Temer, acabou praticamente com o emprego de carteira assinada, e reduziu os ganhos dos trabalhadores e será quase impossível alguém contribuir por conta própria.

“Metade da população vai ficar sem aposentadoria”, critica o professor da Unicamp.

Para Denise Gentil, a reforma Trabalhista aumentou o tamanho da informalidade e o desemprego, e sem carteira assinada para que os trabalhadores da ativa possam contribuir com a Previdência, o rombo será muito maior.

“Querem implantar um sistema alternativo, que é o caso da carteira verde amarela, que na verdade, se transformará no sistema principal meio de contratação, e com o atual o tamanho da informalidade e do desemprego, só vai restar o regime de capitalização”, afirma a professora de economia da URFJ.

Ela explica ainda que ao retirar da sociedade um fundo público, como a Previdência, restará apenas a insegurança do mercado financeiro e o isolamento do trabalhador porque o capitalismo não quer mais contribuir com a Previdência.

“É um salve-se quem puder. Não vai mais existir o regime de solidariedade e vai aumentar a exploração da classe trabalhadora e o governo vai ter de complementar a renda da população com benefícios assistenciais para a pobreza não se alastrar mais”

Segundo ela, a perspectiva de empobrecimento aumenta muito para os mais pobres. “Não só apenas uma pequena parcela da população conseguira poupar, como haverá uma enorme perda de patrimônio, o que deixará a todos com uma renda extremamente baixa”.

Fonte: CUT Nacional

06/06/2019 11:46:03

logo fitratelp 3 f01CUTA

Rua Washington Luiz, 572 - Centro, Cep 90010-460 Porto Alegre, Rio Grande do Sul.