As delegacias do SINTTEL-RS no interior do Estado – entre elas a de Santo Ângelo e Novo Hamburgo - estão juntas na campanha da Vacina Já, desenvolvida pelas centrais sindicais, sindicatos e movimentos sociais. Na frente de cada unidade, foi colocada uma faixa com o pedido de vacina Já para todos e destacando que os trabalhadores telefônicos são essenciais e também precisam de vacina logo.

Desde que iniciou a pandemia, as ações do Sindicato têm sido na direção de proteger a saúde e a vida dos trabalhadores. Neste sentido, a entidade tomou iniciativas junto às empresas, às autoridades, aos órgãos de proteção ao trabalhador, e recentemente tem buscado garantir a inclusão dos trabalhadores telefônicos, categoria definida como essencial, entre as que terão prioridade para a vacina contra a Covid-19.

O Sindicato também tem participado das atividades de ruas, como as manifestações com faixas, as ações simbólicas e encontros virtuais pedindo a vacinação de todos e o fortalecimento do SUS.

Assessoria de Comunicação.

15/04/2021 11:33:55

Em resposta a solicitação do SINTTEL-RS, a empresa TIM informou que no dia 16 de abril próximo, estará vacinando os trabalhadores e trabalhadoras da empresa em Porto Alegre com a vacina contra o vírus H1N1.

Segundo a empresa, o procedimento será feito obedecendo a todos os protocolos de segurança em relação à Covid-19.

Para organizar a vacinação, foi feito um cadastro prévio de forma a otimizar e garantir a segurança durante o período de aplicação da vacina H1N1.

O Sindicato chama a atenção dos trabalhadores para a importância desta vacina que também protege a saúde dos trabalhadores. Além disso, é importante se informar sobre as orientações necessárias dos órgãos de saúde, para não haver coincidência menor do que 15 dias entre esta vacina (H1N1) a da Covid-19 para as pessoas que já estejam próximas da imunização contra o coronavírus.

O SINTTEL-RS continuará cobrando das empresas e dos governos também a inclusão dos trabalhadores telefônicos na lista das categorias com prioridade de vacinação. O Sindicato defende a vacinação já para todos e é contra o "fura-fila". Mas, em virtude do desgoverno e em sendo ESSENCIAIS, priorização já!

Preservar a saúde é um direito e uma responsabilidade de todos.

Assessoria de Comunicação

12/04/2021 12:39:42

O SINTTEL-RS está convocando, para o dia 15 de abril, assembleia geral extraordinária virtual com os trabalhadores Operadores de Mesas Telefônicas do RS. A atividade será às 17h30 em primeira chamada e às 18h em segunda e última chamada.

O objetivo é deliberar sobre a pauta de reivindicações para celebração da Convenção Coletiva 2021, entre outros assuntos.

Confira AQUI o edital.

Assessoria de Comunicação

09/04/2021 11:49:59

Com o discurso da moralidade e do combate a corrupção, a Lava Jato, comandada pelo ex-juiz Sérgio Moro serviu, como estamos vendo agora, para destruir milhões de empregos, empresas estratégicas para o país e para perseguição política que levou Bolsonaro e seu projeto genocida à presidência da República.

Segundo um estudo do DIEESE que mostra os impactos negativos da operação na economia brasileira, o estrago econômico e social provocado pela Operação foi intencional e teve como objetivo possibilitar a implementação de um projeto que beneficia os interesses estrangeiros sobre o petróleo brasileiro, entre outras riquezas nacionais.

Brasil perdeu bilhões

Intitulado de “Implicações econômicas intersetoriais da operação Lava Jato”, o estudo mostra que Brasil perdeu R$ 172,2 bilhões de reais em investimento no período de 2014 a 2017. Um montante 40 vezes maior do que os recursos que os procuradores da força-tarefa da lavo jato anunciaram ter recuperado e devolvido aos cofres públicos. A avaliação é que a operação deveria ter se mantido em investigar desvios e punir os comprovadamente responsáveis, mas preservando as empresas. Mas ultrapassou estes limites e foi usada para perseguição política e destruição de importantes empresas brasileiras.

Exterminadora de empregos

No total, a Lava Jato contribuiu para exterminar cerca de 4,4 milhões de postos de trabalhos. A operação destruiu cadeias inteiras, como as do setor petróleo, em função do desmonte da Petrobrás e de um projeto político com Bolsonaro que acabou com a política de conteúdo nacional, que determinava que parte das encomendas da Petrobrás fosse feito de empresas brasileiras.

As denúncias visavam a desmoralização e a destruição da imagem de empresas, inclusive paralisando atividades, resultando em perda de postos de trabalho. Esse foi o caso da Petrobrás, uma das petrolíferas mais importantes do mundo e um importante instrumento de desenvolvimento do país. O objetivo era claro: queriam destruir a empresa para depois privatiza-la.

O mesmo ocorreu com empresas do ramo de engenharia/construção civil que sofreram as consequências da Lava Jato e setor que desempregou milhões de trabalhadores pela paralisação de obras e contratos. Somente no setor de construção civil, cerca de 1,1 postos de trabalho foram extintos. Mas os reflexos também se estendem a outros setores como comércio e serviços, transportes, alimentação e até mesmo, indiretamente, nos serviços domésticos.

Com os impactos negativos da redução de investimentos e do emprego, a massa salarial foi reduzida em cerca de R$ 85 bilhões. “São 85 bilhões que poderiam ter circulado na economia, movimentando o comércio, gerando mais empregos e renda”, disse Fausto.

Utilização política

A operação também serviu para perseguição política ao então mais forte candidato à presidência da República, Lula, e garantiu a eleição de um projeto ultraneoliberal de destruição do Estado, privacionista e genocida, com a eleição de Bolsonaro, que inclusive prometeu o cargo de Ministro da Justiça a Sérgio Moro.

Com a chegada da pandemia, este projeto se torna ainda mais perverso, uma vez que Bolsonaro não tem uma única política efetiva de combate a pandemia. Pelo contrário, é um incentivador de medidas comprovadamente ineficazes e de atitudes que contribuem para a propagação do vírus. Não por acaso, o Brasil bate na casa dos 300 mil mortos, uma estatística que poderia ser bem menor, se o governo tivesse uma efetiva preocupação em proteger a população.

Assessoria de Comunicação

C/Informações da CUT Brasil

22/03/2021 14:08:51

logo fitratelp 3 f01CUTA

Rua Washington Luiz, 572 - Centro, Cep 90010-460 Porto Alegre, Rio Grande do Sul.

O novo horário de atendimento é das 10h às 16h15.

Este horário é emergencial, devido a pandemia.

Estamos à disposição dos trabalhadores, caso necessitem de informações ou qualquer outra questão, podem enviar email para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. ou por telefone, pelo número (51) 3286.9600.

Atenciosamente,

Direção SINTTEL-RS