No dia 06/10/20 estava agendada, por vídeo conferência, a segunda reunião de negociação com a empresa Claro. No dia 05/10, no final da tarde, a empresa cancelou e transferiu para dia 13/10/20, alegando  "motivo de força maior" .  

Lembramos que a pauta de reivindicações foi enviada a empresa há 3 meses! Esperamos que não haja mais adiamento e que na data agendada, a empresa venha com  uma proposta digna de ser apresentada aos trabalhadores. Fique atento aos informativos e ao site.

 Trabalhador(a) sindicalizado(a) sabe valorizar e entende a importância de seu sindicato laboral! Sindicalize-se!

Assessoria de Comunicação

06/10/2020 11:23:09

Não é novidade que, para o capitalismo, os números valem mais que a vida. A pandemia, aliás, tem mostrado que os números valem mais que milhares de vida, haja vista a resistência dos empresários em investir em equipamentos de proteção, ou de concordarem em reduzir ou fechar temporariamente seus negócios, em nome do lucro, expondo seus trabalhadores e levando muitos à morte.

E esta característica do capitalismo chamado de “capitalismo selvagem” ficou ainda mais clara em uma unidade do hipermercado Carrefour.  A unidade, em Recife, escondeu o corpo de um trabalhador morto para não fechar as portas e deixar de lucrar. Um representante de vendas de 53 anos da rede de hipermercados morreu, na última sexta-feira 14, enquanto trabalhava. O caso só ficou público porque uma foto foi divulgada nas redes sociais e gerou muita revolta.

Para esconder o corpo, o hipermercado colocou guarda-sóis, caixas e tapumes improvisados enquanto o estabelecimento seguiu em funcionamento. O corpo ficou no local, segundo os demais trabalhadores, por mais de 4 horas, até ser retirado pelo Instituto Médico Legal (IML).

Protocolo

Só depois da repercussão negativa e das críticas recebidas nas redes sociais, o Carrefour publicou três notas nas redes sociais se “justificando” e anunciando que irá mudar o protocolo. Segundo a empresa, a partir de agora (quer dizer, só a partir da repercussão negativa) é que o hipermercado vai fechar a loja em casos de fatalidade como essa.  

Assessoria de Comunicação

19/08/2020 16:53:04

Há 37 anos, no dia 12 de agosto de 1983, um tiro de escopeta calibre 12 pôs fim à vida de Margarida Alves, mulher paraibana, sindicalista, símbolo de luta e resistência pelos direitos das trabalhadoras e dos trabalhadores rurais.

O assassinato planejado por fazendeiros e engrossado pelo patriarcado, realizado na frente do esposo e do filho de Margarida, passou impune: até hoje nenhum acusado foi condenado pelo crime. A vida de Margarida se esvaiu. Mas o sangue que saiu de seu corpo e correu pelo chão fez brotar sementes de luta para toda classe trabalhadora.

A Marcha das Margaridas, realizada todos os anos reunindo milhares de mulheres, como momento de luta das trabalhadoras do campo e da cidade, é prova disso. A ação, considerada o maior movimento realizado por mulheres em toda América Latina, completa neste 12 de agosto 20 anos. E neste momento de crise, miséria, desemprego e morte, diante de um governo genocida e antipovo, a voz e a resistência de Margarida Alves, mais que nunca, deve ecoar pelos gritos de mulheres e homens que lutam por um Brasil mais justo.

Marcha das Margaridas 2019

Margarida Alves, presente!

Fonte: CUT-DF

logo fitratelp 3 f01CUTA

Rua Washington Luiz, 572 - Centro, Cep 90010-460 Porto Alegre, Rio Grande do Sul.

A direção do SINTTEL-RS acompanha atentamente o avanço da pandemia de COVID-19, a doença causada pelo CORONAVÍRUS. Preocupada com os trabalhadores em telecomunicações e, também, com os do Sindicato, decidiu reduzir o horário de trabalho podendo ser reavaliado a qualquer instante, conforme evolução do estado de alerta.

O novo horário é das 10h às 16h15. Este horário é emergencial.

Reafirmamos que estamos à disposição dos trabalhadores e trabalhadoras e orientamos todos que, caso necessitem de informações ou qualquer outra questão, podem enviar email para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. ou por telefone, pelo número (51) 3286.9600.

Atenciosamente,

Direção SINTTEL-RS