O SINTTEL-RS está convocando a categoria a participar, no dia 24 de setembro, às 18h, na Esquina Democrática, em Porto Alegre, do ato que está sendo promovido pela CUT-RS, centrais sindicais e movimentos sociais. O ato é contra a reforma da Previdência, os cortes de recursos na educação, o desemprego, as queimadas na Amazônia e em defesa da soberania nacional. Também haverá protestos em cidades do interior gaúcho.

A mobilização acontece na dia em que o Senado pretende votar em primeiro turno a proposta do governo Bolsonaro que destrói a aposentadoria do povo brasileiro. O texto, já aprovado por maioria na Câmara dos Deputados, retira direitos, como a aposentadoria tempo de contribuição, impõe idade mínima para homens (65 anos) e mulheres (62 anos) se aposentarem, reduz o valor das novos benefícios de aposentadorias e pensões e estabelece período de transição para as novas regras de apenas dois anos, dentre outras maldades.

Cobre dos senadores gaúchos

Dos três senadores gaúchos, apenas Paulo Paim (PT) tem se manifestado contra a reforma da Previdência, tendo votado contra a sua admissibilidade na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Por isso, os senadores Lasier Martins (Podemos) e Luís Carlos Heinze (PP) estão sendo pressionados pelos trabalhadores, para que votem contra a proposta de Bolsonaro.

Cadê os empregos prometidos?

Bolsonaro está no seu nono mês de governo sem apresentar uma única medida de geração de emprego e renda ou de desenvolvimento com justiça social. Conforme dados do IBGE, o país tem atualmente 38,6 milhões de trabalhadores na informalidade. Isso significa que da força total de trabalho, estimada em 105 milhões de brasileiros, 41% desse total estão no mercado de trabalho sem proteção social e não contribuem para a Previdência.

Os projetos apresentados por Bolsonaro e seu ministro da Economia, o banqueiro Paulo Guedes, só beneficiam os grandes empresários e o agronegócio.

Barrar os ataques à educação pública

Os trabalhadores e estudantes denunciarão também os cortes de recursos na educação pública e o programa Future-se, que visa privatizar a gestão das universidades e institutos federais.

É preciso denunciar os cerca de R$ 900 milhões que foram retirados da educação para integrar os R$ 3 bilhões que o governo está pagando aos parlamentares para aprovação da reforma da Previdência.

Contra as queimadas na Amazônia

Outra pauta do dia 24 são as queimadas que estão destruindo a Amazônia, que chocaram o Brasil e o mundo e provocaram reações em países europeus e que também serão denunciadas pelos trabalhadores e estudantes, reforçando as manifestações da “greve mundial pelo clima”, que aconteceu no mundo todo na sexta-feira, dia 20.

Temos que mostrar que os responsáveis por queimar árvores na Amazônia são os mesmos que querem acabar com os direitos trabalhistas e sociais, os mesmos que cortam recursos na educação e na saúde, e os mesmos que querem privatizar as empresas públicas, destruindo a soberania nacional.

Contra as privatizações

As mobilizações também são contra as privatizações e a entrega das maiores empresas brasileiras para grupos internacionais. O governo já anunciou a privatização de 17 estatais, como os Correios, a Petrobrás, o Serpro, a Dataprev, destruindo empregos e a economia das cidades onde essas empresas estão instaladas.

É importante lembrar que as empresas estatais são estratégicas para o desenvolvimento econômico e social do país. Elas têm importantes funções sociais, são lucrativas e contribuem para fazer o país crescer e gerar empregos. Por isso, despertam o interesse de grupos econômicos estrangeiros.

A venda destas empresas é um crime contra o povo brasileiros e o desenvolvimento do país.

Agende-se e participe. Será somente tomando as ruas que poderemos evitar todas estas medidas que só aumentarão o desemprego e a miséria da Nação.

Assessoria de Comunicação

C/Informações da CUT-RS

22/09/2019 12:06:49

Uma greve realizada pelos trabalhadores da Ezentis nos três estados (RS, SC e PR) na segunda-feira (16), pela manhã, levou a avanços na proposta da empresa. A paralisação foi definida nas assembleias realizadas na semana passada. Frente a decisão dos trabalhadores, o Sindicato tomou todas as medidas necessárias para garantir os direitos dos trabalhadores e a legalidade do movimento, com edital em jornal de grande circulação dentro do prazo exigido.

A greve foi decidida pelos trabalhadores diante da proposta da posição da empresa que não conseguiu negociar uma proposta aceitável, não solucionar as pendências existentes, propor um reajuste mínimo, manter as ameaças de mudanças desfavoráveis aos trabalhadores e não solucionar as questões relativas à segurança de trabalho.

Mediação

No mesmo dia em que os trabalhadores entraram em greve, houve uma audiência de mediação no Tribunal Regional de Trabalho (TRT4-RS) no início da tarde. Nesta, foi apresentada uma nova proposta que foi apreciada pelos trabalhadores dos três estados. A proposta foi aprovada e a greve encerrada.

Na avaliação do SINTTEL-RS, a unidade dos trabalhadores e a ação decidida e imediata do Sindicato garantiu avanços na proposta, permitindo a sua aprovação. Esta movimento mostrou, mais uma vez , que quando os trabalhadores lutam unidos com o sindicato, é possível avançar nas conquistas.

Confira a proposta aprovada:

  • ·Reajuste de 3,16%, nos salários e demais benefícios (cláusulas econômicas ), retroativo a data-base de 1 °de agosto, pagos na folha de setembro/19 ( no 5° dia útil de outubro/19);
  • ·Inclusão de cláusula no ACT referente a locação de veículos;
  • ·O pagamento ficou unificado para todos os contratos no dia 10 de cada mês, sendo que para os contratos antigos, os trabalhadores podem optar para o contrato dos agregados novos, no valor de R$ 1.330,00 (sem reajuste);
  • ·Nas diárias não houve reajuste, porém segue como no ACT apresentando NF para reembolso;
  • ·Inclusão para casais homoafetivos no plano de saúde, mediante união estável;
  • ·Não retirada de VA/VR, em até duas horas-extras trabalhadas (manter a redação atual);
  • ·Não implantação das escalas sem acordo com o sindicato;
  • ·Para os turnos estendidos não poderão fazer acordo individual com o trabalhador,  somente através de uma comissão entre 5 membros da empresa, os 4 representantes sindicais e 1 dirigente do SINTTEL-RS e somente com a vontade própria do trabalhador;
  • ·A periculosidade será mantida até junho de 2020 para todos os empregados que já recebem o adicional;
  • ·Será nomeado um perito de consenso, entre a empresa e SINTTEL-RS para observar o laudo de periculosidade a partir de junho 2020;
  • ·Para os 15 que restaram, sem o pagamento da periculosidade, conforme listagem efetuada pelo Sindicato e encaminhada à empresa, será inciado o trabalho do perito por estes que não estão contemplados e retificados em 30 dias (caso seja concluído sua exposição ao risco);
  • ·Pagamento do PPR 2019, sem metas, no valor de 1.700 reais, pagamento de 50% em jan\2020 e 50% jul\2020;
  • ·Solução das pendências que encaminhamos através de ofício para a Ezentis, datados de 09\09\2019 (listagens dos enquadramentos funcionais, promoções com CREA\CFT, isonomia salarial, para mesmas funções, descontos indevidos referente a multas e avarias) - multas e avarias já reembolsaram nas contas, os 15 de periculosidade acima relatado e os enquadramentos 90 dias para regularizarem;
  • ·Pagamento retroativo das diferenças dos benefícios estabelecidos no ACT atual, que não são cumpridos desde a contratação dos empregados lotados no contrato de rede externa e regularização destes pagamentos daqui para frente (inclusive plano de saúde). Estes serão enquadrados nos benefícios da rede externa de Santa Catarina com reajuste no tíquete a partir de agosto/19 e para janeiro/2020 novo reajuste e o descumprimento de 1 ano (entre agosto 2018/2019 será negociado na mediação no TRT4 em 17/10/19);
  • ·Implantação do PCCS, obedecendo o critério, mesma função, mesmo salário, nos próximos 90 dias;
  • ·Manutenção das demais cláusulas do ACT vigente e manutenção das condições estabelecidas nas rodadas de negociação anteriores;
  • ·Ausência de punições e descontos pelas horas não trabalhadas da meia noite até a assembleia de hoje a tarde;
  • ·Foi negociado entre as partes que a Ezentis irá entregar o relatório final do acidente, para que se faça os encaminhamentos preventivos, onde acidentes como este não ocorram novamente.

 

CONFIRA IMAGENS DA GREVE

Assessoria de Comunicação

16/09/2019 23:08:01

Os trabalhadores da Ezentis iniciaram, nesta segunda-feira (16) greve unificada nos estados do RS, SC e PR. Nesta segunda, às 12h, tem audiência de mediação no Tribunal Regional de Trabalho (TRT4-RS).

O movimento se deu em função de a empresa não ter conseguido negociar uma proposta aceitável, de não solucionar as pendências existentes, propor um reajuste mínimo, manter as ameaças de mudanças desfavoráveis aos seus trabalhadores, não solucionar as questões relativas à segurança de trabalho e ainda, além de não resolver problemas antigos, criar novos problemas para a categoria.

Assessoria de Comunicação

16/09/2019 09:16:52

O SINTTEL/RS – Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Telecomunicações e Operadores de Mesas Telefônicas do Estado do Rio Grande do Sul, entidade sindical de primeiro grau, com sede na rua Washington Luiz, nº 572, em Porto Alegre/RS, em cumprimento a Lei de Greve (Lei nº 7.783/89), comunica à sociedade em geral que os empregados da EZENTIS  SERVIÇOS DE ENGENHARIA E INSTALAÇÕES DE COMUNICAÇÕES S/A deliberaram pela GREVE, a partir da zero hora do dia 16/09/2019.

O SINTTEL/RS esclarece, ainda, que se colocou à disposição da empresa e das tomadoras dos serviços – Telefonica Brasil S/A e TIM Celular S/A - para tratar da garantia dos serviços essenciais.

Porto Alegre, 13 de setembro de 2019.

Gilnei Porto Azambuja

Presidente

Confira AQUI o edital publicado no jornal Correio do Povo, dia 13/09/2019, na página 

logo fitratelp 3 f01CUTA

Rua Washington Luiz, 572 - Centro, Cep 90010-460 Porto Alegre, Rio Grande do Sul.