13 de maio: uma abolição não concluída

"Treze de maio traição, liberdade sem asas e fome sem pão". Nesses versos surgidos no fim década de 1960 e início de 1970, Oliveira Silveira, poeta e membro do grupo gaúcho Palmares, explica de forma sublime porque a data 13 de maio, dia da assinatura da Lei Áurea, não representa a comunidade negra.

Teoricamente, o dia13 de maio deveria ser um marco para a população negra. Afinal, é nesta data que “comemora-se a libertação” dos escravos, após a sanção da Lei Áurea, assinada pela princesa Isabel em 1988. Foi isso que a maioria de nós aprendeu na escola: que uma branca rica concedeu a liberdade para os negros escravizados do Brasil, omitindo o processo de resistência e luta de negras e negros.

Para nós do movimento negro, o 13 de maio não remete ao fim da escravidão, mas traz à tona a reflexão sobre a persistência do racismo na sociedade brasileira.

A suposta “liberdade” dada aos recém-alforriados veio carente de políticas públicas para a população afrodescendente. Mesmo sendo liberados da escravidão, os escravizados continuaram presos às amarras que impediam o acesso à terra, à educação, à saúde, à alimentação; submetidos a um sistema estruturalmente racista, que ainda hoje impõe a pobreza acentuada para a comunidade negra.

O alto índice de informalidade e trabalho precário imposto às negras e negros, a diferença de salários entre negros e brancos, os crescentes números de assassinato de jovens negros (muitos deles praticados pela própria polícia), o desequilíbrio do número de negros dentro das universidades em comparação com pessoas brancas, são algumas das questões que desnudam o falso sentido poético do 13 de maio. E além disso, mesmo quando um negro consegue alcançar um alto nível de escolaridade, ele se mantém em posições inferiores a dos brancos pelo fato de ser negro, o que se acentua quando falamos de uma mulher negra.

No imaginário social, 132 anos após a sanção da Lei Área, está a construção de que negros são perigosos, são criminosos, são marginais. Ou de que a mulher negra aguenta tudo, é boa pra fazer faxina, é parideira; ou então se parte para a erotização e objetificação dessas mulheres.

Definitivamente, o 13 de maio não serve para nós, negras e negros. Não somos fruto da migalha de uma princesa branca. Somos filhos da Dandara e de Zumbi, somos resistência e luta, nem maior nem menor que ninguém.

*Samantha Sousa é secretária de Combate ao Racismo CUT-DF

Fonte: CUT Brasília

logo fitratelp 3 f01CUTA

A direção do SINTTEL-RS acompanha atentamente o avanço da pandemia de COVID-19, a doença causada pelo CORONAVÍRUS. Preocupada com os trabalhadores em telecomunicações e, também, com os do Sindicato, decidiu reduzir o horário de trabalho podendo ser reavaliado a qualquer instante, conforme evolução do estado de alerta.

O novo horário é das 10h às 16h15. Este horário é emergencial.

Reafirmamos que estamos à disposição dos trabalhadores e trabalhadoras e orientamos todos que, caso necessitem de informações ou qualquer outra questão, podem enviar email para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. ou por telefone, pelo número (51) 3286.9600.

Atenciosamente,

Direção SINTTEL-RS